Goste ou não, Bam Margera arrebentou no skate no começo dos anos 2000. O skate virou algo comum e se você conseguia fazer manobras, você se tornaria o garoto mais descolado da escola de um dia pro outro (e até conseguiria pegar algumas garotas).

Naturalmente, Bam começou a andar cada vez menos por causa de todas as obrigações da TV e da fama. Todo mundo sempre soube que Bam era maluco, mas não estava tão claro que ele tinha um problema real. E foi com o lançamento de Family Therapy que as pessoas perceberam que seu ídolo da infância estava realmente sofrendo.

Bam não parecia estar em condições de andar. Porém, foi quando os posts do Instagram começaram a aparecer que os rumores indicaram que sim, Bam estava de volta ao skate. Depois de muitas ligações e alguma sorte, nós o encontramos na Espanha para ver o que realmente estava rolando.

Parabéns Bam, pela recuperação intensa e obrigado por voltar ao skate.

Então Bam, você está andando de skate de novo?
Sim! Agora mesmo eu estava andando no mini ramp do Roberto Aleman, na casa do pai dele. Ele tem um ring de tourada e um mini ramp com um logo do Consolidated bem no meio dele, e todas essas fotos antigas do Tom cruise e Rob Lowe. É estranho. [Risos]


Há alguns anos, você disse que tinha parado de andar de skate porque os seus pés estavam ferrados. O que aconteceu?
Sim, bem, eu tinha esporões ósseos nos pés. O porquê de ter demorado tanto pra curá-los foi que não doía quando eu andava ou corria, só doía quando eu fazia algumas manobras de skate. Então eu nunca tive muita pressa pra resolver isso.

Aí eu fiquei 4 ou 5 anos sem andar de skate e, se eu andasse, era somente para dar uma volta pela FDR ou no parque de casa, mas nada sério. Então quando o inverno desse ano chegou eu fui pra Estônia editar um filme sobre um cara chamado Andy Mccoy. Ele toca numa banda com Iggy Pop. Era outubro, estava nevando e o dia ficava escuro as 15h. Eu estava tipo, ‘eu vou me matar se eu não for pra Barcelona andar de skate’. Então eu resolvi pegar um voo para Barcelona, comprei meu primeiro skate em 20 anos e encontrei o Winkle. Desde então, nós estamos meio que fazendo uma road trip de dois meses por toda a Espanha.

 

photo: nikki margera 2017


Quando você entrou na loja pra comprar o skate as pessoas ficaram tipo “Caralho é o Bam!”?
Era uma loja de surf/snowboarding/skate, então não era uma loja só de skate mesmo. Eu acho que eles não me reconheceram.


No auge da sua fama como skatista, qual foi a coisa mais louca que te pediram pra fazer?
Uma vez eu participei de uma sessão de autógrafos e logo antes eu tinha comido algo que tinha vários tomates. Eu estava bebendo várias Coronas enquanto autografava; acho que bebi muito e acabei vomitando todas as cervejas e os tomates. Logo depois uma mina gostosa pra caralho saiu da fila e chupou todo o vômito. Não, não era um quadro do Jackass, era tipo “Eu quero o vômito do Bam dentro de mim!” Foi estranho pra caralho. E o pior é que ela era gata, isso que foi foda. Ela chupou todo o meu gorfo não como um desafio, mas só porque ela realmente quis!

photo: thomas winkle 2017

É verdade que os seus skates costumavam vender mais que os do Tony Hawk?
Sim, logo que lançou Jackass 2 e Viva La Bam eu estava vendendo uns 12 mil skates por mês. Acho que o Tony Hawk vendia uns 11, 10 mil.

E você ganhava uns U$2, U$4 por skate?
Sim, isso sem contar os patrocínios.

E o Tony Hawk’s Underground 2, você também teve uma parte do lucro por ter sido basicamente o personagem principal?
Sim, eu preciso dizer que o Tony Hawk é o cara quando se trata de juntar os skatistas. Eu conheci ele em Tampa Am ou Pro muito tempo atrás, em 1999, ou 2000. Eu me apresentei e disse “Eu quero muito participar da Tony Hawk tour” e ele disse “Demorou, você está dentro!”. Depois disso nós viramos bons amigos, e ele me colocou na capa do seu segundo jogo de videogame, por causa disso eu comprei uma Ferrari Modena. Então, valeu cara!

photo: nikki margera 2017

Sabemos que, quando você era criança, você queria ser um skatista profissional, andar de skate com o Tony Hawk e ter uma Ferrari vermelha. Que louco, você fez tudo isso.
Sim, mas aí eu fiquei tão absorto com a fama e essas merdas, que foi mais fácil só ficar bebendo por um bom tempo. Então, foi isso que eu fiz. Eu festejei com estrelas do rock e agora estou pagando por isso. Eu preciso reaprender todas as minhas manobras aqui na Espanha; e sem contar que eu estava 13kg mais magro, mas agora estou perdendo tudo de novo porque estou andando de skate todo dia.

Você fica triste quando as pessoas dizem coisas como “Você está parecendo o gordo do Phil!”?
Sim, é um pouco frustrante; e o Phil é o meu pai então eu realmente me pareço com ele, mas eu sei o que eles querem dizer. Mas as vezes eu bebia porque me ajudava a esquecer disso. Agora eu só estou tentando voltar à forma, continuar andando de skate e fazer o que me faz feliz.

Qual foi o grande incentivo para voltar a andar de skate? Foi planejado?
Na verdade não foi planejado. Eu sabia que queria voltar a andar de skate, mas as minhas frustrações eram tão grandes. É como Kerry Getz – ele é um cara magro, mas se ele ganhasse 13kg ele iria continuar conseguindo mandar um kickflip de primeira? É como se ele tentasse fazer isso segurando dois pesos de 6,5kg, é frustrante pra caralho. Você taca seu skate no chão o dia todo. Então quando eu estava na Estônia, eu cheguei ao ponto de fazer uma hora de aeróbico, 300 flexões e 100 flexões de perna todos os dias por dois meses.

Com isso eu emagreci o suficiente pra poder ir pra Barcelona sem parecer um gordo de merda [Risos]. Eu sabia que os lugares na Espanha eram fodas e não queria ir para os parques e não fazer nada, que nem em casa. Nos EUA é ridículo. Eu não sei como está agora mas quatro anos atrás eu estava tipo ‘Eu nunca mais vou pra um parque público na America”.

Quer dizer, se eu estivesse mandando bem seria diferente. Aí eu sei que eu poderia só chegar e destruir. Mas pra reaprender a andar de skate na frente de todas aquelas crianças com seus malditos iPhones gravando tudo o que eu faço, e eu desistindo de um Blunt to Fakie em um tubo de um metro e meio… tipo, eu não quero que isso seja visto de jeito nenhum! [Risos]

Quando você voltou a pegar no skate depois de 5 anos sem andar, você ainda conseguia fazer manobras?
Entrar e mandar um 50-50 numa mini ramp é uma das coisas mais fáceis que dá pra fazer, e eu não conseguia nem fazer isso. Eu errei umas 5 vezes até conseguir mandar um 50-50 numa mini ramp de um pouco mais de um metro. Eu estava pensando “Meu Deus, eu vou ficar muito frustrado pra aprender tudo de novo”. Mas eu acho que eu peguei bem rápido. Eu ainda tenho problema com o chão plano. Pra mim é mais fácil mandar um kickflip ou um 360 numa pirâmide, porque você vai mais rápido e tem o impulso, do que fazer no chão plano. Eu ainda estou mandando bem mal no chão plano por enquanto.

Você acha que vai voltar a se dedicar de verdade ao skate, ou vai continuar a fazer séries de TV e filmes?
Eu estou andando simplesmente pelo prazer e pela diversão. Simplesmente andando com os locais daqui, seja em mini ramps, parques ou algum lugar que eles queiram me mostrar. No momento eu só queria ter certeza que não tinha qualquer obrigação relacionada à TV ou à Hollywood. Eu só queria ir à Espanha e andar de skate durante o tempo que eu estivesse afim e não ter que lidar com nenhuma dessas besteiras.

Tim O’Connor mencionou que talvez você anunciaria alguns campeonatos de skate com ele, é verdade?
Sim, eu estava assistindo ao campeonato de Copenhague e parecia tão divertido, então eu mandei uma mensagem pro Tim e pedi pra participar de algum dos campeonatos europeus. Ele estava sentado numa mesa de jantar com todos os juízes quando eu mandei a mensagem, então não poderia ter sido numa hora melhor. Pelo jeito eu vou ser um dos juízes na Europa nesse verão.

Você tem assistido algumas coisas recentes de skate pra entrar no clima?
Sim, o Winkle está sempre me mostrando coisas como os caras do GX1000, do Dime, e claro o Evan Smith, Youness Amrani e todas as pessoas que andam de skate em Barcelona; ele tem me mantido atualizado sobre quem está arrebentando nos últimos dias. O GX1000 me lembra dos antigos vídeos do Eastern Exposure e, na real, a VX1000 era uma câmera irada. Está tudo mudando ultimamente, mas isso me deu uma vibe pro Eastern Exposure e me deixou realmente empolgado pra andar.

Tipo, as vezes eu assisto uns vídeos de skate de hoje em dia, o Plan B, do Chris Joslin por exemplo. Ele é foda pra caralho e dou meus parabéns a ele, mas isso não me faz necessariamente ter vontade de andar de skate; me dá vontade de sentar num sofá e admirar sua performance. O que me faz realmente querer andar é alguém como Daewoo e Chris Haslam andando numa mini ramp de um pouco mais de um metro e fazendo as manobras mais malucas e criativas que você pode imaginar. Tipo, antigamente, nos vídeos do Powell Peralta e Horus Pokus, tinham umas manobras que você assistia e depois ia tentar fazer por conta própria. Mas quando é um backside noseblunt em uma escada de 20 degraus, eu vou sentar num sofá e admirar, mas eu não vou ficar com vontade de sair de casa e tentar isso em algum lugar.

photo: thomas winkle 2017

Mudando de assunto, vocês não fizeram seu amigo Brandon Novak provar Jenkem (droga feita através da fermentação de fezes e urina. O resultado é um gás que é inalado e gera um efeito semelhante ao da cocaína, porém muito mais alucinógeno) uns 10 anos atrás?
[Risos] Sim, nós fizemos! O Colin Provost cagou numa bolsa, nós misturamos com Gatorade e colocamos no microondas. Aí o Novak inalou umas 10 vezes! Ele disse que ficou chapado mas que não valeu a pena porque foi mais uma dor de cabeça do que uma sensação boa. Então ele recomenda não provar Jenkem [Risos]. Nem sei se esse vídeo foi divulgado, mas eu testemunhei a cena. O Colin cagou numa bolsa e o Novak estava tipo “Ok, vamos testar essa droga nova!”.

O Novak está sóbrio hoje? Eu entrevistei ele quando ele estava na cadeia vários anos atrás.
Sim, ele está há mais de dois anos completamente sóbrio. Depois de passar 16 vezes pela rehab, ele conseguiu. Agora ele está até indo em escolas fazer palestras sobre isso. Ele está levando tudo muito a sério. Antes ele ia pra rehab só pra provar pra mim ou pra mãe dele que ele estava ‘sóbrio de novo’, então se ele precisasse de algum lugar pra dormir ou de dinheiro ele não usaria com heroína. Mas agora é sério.

 

photo: nikki margera 2017

Como você ficou sóbrio? Eu sei que você participou da séria Family Therapy, mas eu imagino que tenha sido só de fachada.
Não, era de verdade. Eu meio que fui porque eu não achava que tinha um problema sério com bebida, mas gostei do dinheiro que eles me ofereceram. Aí eu pensei “Espera aí, as pessoas pagam uma grana pra fazer terapia e vocês estão me pagando tudo isso pra EU fazer terapia? Eu só saio ganhando, ok, eu topo.”

Mas quando eu comecei, eu percebi que músicos podem festejar e se embebedar porque tocar uma guitarra e estar bêbado combina, mas se você quer andar de skate bêbado você vai se ferrar. Você vai esmagar suas bolas e cair de cara, então quando eu percebi que não estava andando de skate porque estava bebendo muito, foi quando eu percebi.

Eu fiquei sóbrio por um tempo, então um dia eu bebi de novo e pensei “Uau, esse é um problema de verdade”. Eu costumava ser um cuzão com o Novak por não conseguir parar de usar heroína, mas aí eu percebi que eu também não conseguia largar a garrafa. Eu nunca tive nenhum problema com pílulas e eu nunca nem provei heroína, mas tem sido um enorme esforço pra eu me livrar do álcool. Mas desde que você esteja rodeado de pessoas boas e tenha algo para fazer, você vai ficar bem. Tipo em Barcelona, eu acordo e a minha missão é andar de skate o dia inteiro. Eu sei que a Espanha é o melhor lugar que eu posso estar neste momento para conseguir parar de beber.

Matéria retirada de Jenkemmag e traduzida por Red Nose.